15/08/2015

Quarteto Fantástico...Será? - João F.



Apesar do atraso, hoje o NerdSpeaking traz o review do filme Quarteto Fantástico, Review este escrito por João Ferreira! Confiram! 


As recepções dos dois filmes originais do Fantastic Four foram mistas ou negativas, provavelmente devido ao seu baixo orçamento, limitando o uso da tecnologia. Hoje, dez anos após o lançamento do longa-metragem estrelado por Ioan Grudfford e Jessica Alba, chega aos cinemas uma nova versão que, desde o anúncio de sua pré-produção, tem deixado muitos fãs com uma pulga atrás da orelha. Agora, com a estreia, muitos puderam tirar suas conclusões a respeito da nova versão da equipe da Marvel. Assisti ao filme e estou aqui para passar as minhas impressões sobre o mesmo.
 A nova produção de Josh Trank (Poder sem limites) é baseada na versão Ultimate das HQs do Quarteto Fantástico, e carrega consigo um enredo completamente diferente dos originais dirigidos por Tim Story. Desta vez, não há viagem espacial, mas sim investimentos em um grande avanço científico: o teletransporte. Tal fato permite que indivíduos sejam teletransportados para outra dimensão, semelhante à Terra no início de sua formação. É o experimento responsável por dar poderes ao quarteto, e através de uma nova jogada. Tiro meu chapéu nesse momento, pois a repetição da mesma viagem ao espaço tradicional seria algo monótono. A tecnologia moderna permite ir muito além, e viagens ao espaço já fizeram muita história. Agora, é hora de um novo capítulo na história. Ao menos, é isso que o filme mostra.


 Mas, não se engane! O filme possui uma série de erros no roteiro que não passam despercebidos pelos fãs da primeira família de super-heróis da Marvel Comics. Em alguns momentos, me perguntei se estava assistindo a um filme de super-heróis, ou uma simples ficção científica. Tudo se resume em um aspecto: Inutilidade. O maior defeito da FOX nesse aspecto foi dar maior valor ao tom de ficção e um toque de horror do que no próprio heroísmo que é uma das marcas registradas do grupo. Outro ponto que quase fez o filme ser engolido por um buraco negro, foi o mal aproveitamento do vilão Dr. Destino, interpretado desta vez por Toby Kebbel, de O APRENDIZ DE FEITICEIRO. Como Victor Von Doom (Graças aos Deuses, mantiveram o nome original), o ator vai bem, assim como o resto do elenco. Mas, quando este se transforma no seu alter-ego, nem parece ser um dos maiores vilões que a Marvel teve até agora. O visual do cara o faz parecer uma mistura de Homem de Lata e C-3PO. E, quando se pensa que não podia ser pior, Doom põe um manto vergonhoso, em comparação com a vestimenta clássica do Dr. Destino dos quadrinhos. Esta, por sua vez, é uma grande mistura de tecnologia avançada com aspectos medievais, sendo o manto verde o maior exemplo disso.



 Voltando ao enredo, o filme tem poucas cenas de ação, e são curtas. Quando se pensa que um grand finale com um vilão como Destino será longo e irá se estender, tudo acaba num piscar de olhos. Por sinal, me lembra um pouco o final de TRON – O LEGADO (2010), com um desfecho óbvio. Além disso, é somente nesse último ato que os nossos heróis finalmente se unem, finalmente. Depois de mais de 1 hora de filme focada mais na teoria das coisas, é hora da prática. No entanto, tudo se perde em clichês no momento da luta, sendo previsível o que irá acontecer. Um fato que incomoda, é a tentativa da FOX de tentar consertar as coisas nas últimas cenas. O que não foi resolvido em mais da metade do filme, obviamente não será resolvido com uma única luta no estilo Power Rangers.



 Porém, o filme também tem o seu lado bom. O elenco vai bem nas suas atuações, em especial o quarteto principal. Miles Teller é o que mais se destaca, já que o filme se passa no ponto de vista do ator, que já participou da comédia PROJETO X (2011). A construção da amizade de Reed Richards (Teller) com Ben Grimm durante a infância, ocupa uma boa parte mas, ainda assim, são bons momentos. A primeira tentativa de experimentar o teleportador, assim como outras, acaba em problemas. Desta vez, Reed e Ben (Jamie Bell) são retratados como estudantes do ensino médio que desenvolvem um protótipo do teleportador, chamando a atenção do Dr. Franklin Storm (Reg E. Cartley), que está prestes a testar tal tecnologia avançada. É aí que entram em cena os irmãos Storm (Johnny e Susan), interpretados respectivamente por Michael B. Jordan e Kate Mara, e a “aventura” começa. Além disso, outro ponto positivo é o visual do Coisa, alter-ego de Ben Grimm. Temos aqui algo muito diferente de uma roupa de borracha usada por Michael Chilklis dez anos atrás. É um dos exemplos do bom uso da tecnologia moderna, e é mais fiel ao seu primeiro visual, nas HQs.

  Portanto,encerro esta review sugerindo que não criem altas expectativas para o filme. Não é ruim, mas tem lá os seus momentos decepcionantes. É um filme introdutório, feito para se ter uma continuação, e é nesta que não se deve repetir os mesmos erros do antecessor. Entre os filmes de heróis lançados este ano, este é o que mais deixa a desejar, como já era esperado pela maioria dos fãs das histórias do Quarteto Fantástico.

Nota:  5,5 (Regular)



Espalhe a ideia, comente com os amigos! Compartilhe o que é bom!


Twitter: @oNerdSpeaking
Instagram: NerdSpeaking
SoundCloud: Nerd-Speaking
Facebook: NerdSpeaking
 E-mail: nerdspeaking@gmail.com





Nenhum comentário:

Postar um comentário

\O/ NERD FAZ TEXTÃO!! \O/